Publicado por: Cia Palhaçaria, Risadas e Outras Bestagens | novembro 26, 2009

SP Escola de Teatro custará R$ 8 milhões por ano

SP Escola de Teatro custará R$ 8 milhões por ano

*LUCAS NEVES*
da *Folha de S.Paulo*

A SP Escola de Teatro, ambicioso projeto do governo estadual para a formação
de profissionais de artes cênicas, abre as portas hoje, no Brás (região
central de São Paulo), com show, performance, exposições e as presenças de
governador e secretariado. Mas já planeja uma mudança de endereço.
Luiz Carlos Murauskas/Folha Imagem [image: Prédio que acolherá a sede
definitiva da SP Escola de Teatro, na praça Roosevelt] Prédio que acolherá a
sede definitiva da SP Escola de Teatro, na praça Roosevelt

A sede definitiva da instituição, a ser erguida a um custo de R$ 4,2
milhões, funcionará na praça Roosevelt, também no centro. Segundo a
secretaria de Cultura, as obras começaram em 21 de outubro. A promessa é
entregar o prédio em agosto, para que as aulas do segundo semestre já
aconteçam ali.

A Oficina Cultural Amácio Mazzaroppi, que abrigará a SP Escola de Teatro
durante nove meses, atualmente sedia projetos de inclusão social pela arte.

O governo estadual gastou R$ 500 mil para pintar, fazer consertos na rede
elétrica e no sistema hidráulico e adaptar o edifício de 1911 a portadores
de necessidades especiais. “A reforma era necessária para a oficina. Será
aproveitada também depois que a escola sair de lá”, diz o secretário de
Estado da Cultura, João Sayad.

O governo afirma que foi necessário abrir uma sede provisória para que o
centro de formação seguisse o calendário letivo padrão, ou seja, com aulas a
partir de fevereiro.

Cabe lembrar, entretanto, que, caso decida concorrer à Presidência, em
outubro de 2010, o governador José Serra precisa deixar o cargo até o começo
de abril. Confirmada sua candidatura ao Planalto, ele não mais seria o
titular da administração estadual quando da abertura da sede definitiva da
escola, em agosto.

A manutenção anual da escola consumirá R$ 8 milhões, liberados pela
secretaria e geridos pela OSC (organização social de cultura) Associação
Amigos das Oficinas Culturais do Estado de São Paulo.

Esse valor supera o montante que o governo estadual destinou, em 2009, a
seus principais projetos teatrais. As quantias investidas nos editais do
ProAC (Programa de Ação Cultural), na campanha “Vá ao Teatro”, no Festival
Nacional de Teatro Infantil de Salto (noroeste de SP) e nos braços teatrais
do Circuito Cultural Paulista e da Virada Cultural Paulista somam R$ 7,1
milhões.

“Estamos fazendo um investimento, o que é diferente de um custeio”,
justifica Sayad.

*Névoa*

A condução do projeto da escola pelo governo estadual suscita
questionamentos no meio teatral. Em 2005, após tomar conhecimento do
trabalho de formação de técnicos mantido pelo grupo Os Satyros no Jardim
Pantanal (leste) e da existência de um prédio abandonado na praça Roosevelt,
ao lado da sede da companhia, o então prefeito José Serra sugeriu que a
trupe pensasse numa iniciativa semelhante para o local.

O projeto ganhou de fato corpo na esfera estadual no último ano. O tema foi
tratado em duas ocasiões no conselho de teatro da secretaria de Cultura, que
pediu para ver o projeto pedagógico, mas não o recebeu.

“A ideia fica envolvida em névoa, pois parece vir diretamente do gabinete do
governador, ser fruto da proximidade de um grupo com ele”, diz o diretor de
uma das principais companhias paulistanas, que pediu para não ser
identificado. “O estranho é que não houve consulta ampla a universidades,
debate para conceber a escola. Fica um ar de camaradagem.”

O secretário de Cultura responde: “Apresentei a ideia à comissão de teatro
da pasta e propus parceria a uma OS (organização social), que topou.”

Para Ney Piacentini, presidente da Cooperativa Paulista de Teatro, “o modo
[como o projeto foi conduzido] é questionável, mas Satyros e Parlapatões [os
dois grupos que respondem pelo grosso dos cargos de direção e coordenação]
estão capacitados.”

Ele reconhece que faltam técnicos nas salas de teatro, carência que os
cursos de iluminação e sonoplastia tentarão suprir, mas teme que os
formandos das habilitações artísticas da escola (dramaturgia, atuação etc.)
não achem vagas. Sayad responde: “Não somos uma secretaria de formação
profissional. Não sei se mercado é critério”.
Arte Folha

via:
Ruy Jobim Neto
Cia. Mestremundo de História


Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: